A actigrafia é um exame clínico que monitora detalhes do ciclo de vigília e sono ao longo de vários dias. O dispositivo utilizado, chamado actígrafo, é um smartwatch mais sofisticado, projetado para registrar a atividade motora da pessoa e, consequentemente, determinar o tempo de repouso.

Um aspecto relevante é a identificação da fragmentação do sono, causada por despertares que reduzem a eficiência do descanso. O actígrafo funciona como uma versão abreviada da polissonografia, mas em condições naturais de vida e por um período prolongado, podendo chegar a uma semana. Comparado a um bebê dormindo em um laboratório durante uma única noite, conectado a diversos eletrodos e sensores, o uso do actígrafo permite a observação do sono em seu ambiente cotidiano.

A captura de movimentos ocorre a cada minuto ao longo de um período mínimo de 72 horas. O dispositivo é composto por três elementos principais: um acelerômetro para medir movimentos, um processador para calcular o nível de atividade em intervalos de tempo e uma memória para armazenar os dados. Essas informações são úteis para análises do sono, cronobiologia e atividade física.

O actígrafo, semelhante a um relógio, é adequado para todas as idades, sendo comumente utilizado em bebês, crianças e pessoas com obesidade em nossa clínica. Ele registra o tempo total de sono, a vigília após o início do sono, a eficiência do sono e a latência do sono. Os termos utilizados para descrever esses parâmetros são os mesmos da polissonografia, porém a vantagem está na realização do exame no ambiente natural de sono do paciente, sem a necessidade de conexão a vários fios e sensores.

Os resultados são apresentados em gráficos compreensíveis, permitindo que os pacientes compreendam facilmente o que está ocorrendo e, assim, se sintam motivados a modificar seus hábitos e resolver os problemas que os levaram à consulta. Como é comum, as pessoas tendem a agir somente quando estão preparadas, e a actigrafia permite que cada indivíduo encontre sua própria maneira de abordar suas dificuldades de sono.

Dr Paulo Bittencourt

Compartilhe este artigo: